Breaking News
Home » Entrevistas » Entrevista: Empath-P
empathp

Entrevista: Empath-P

O Mikubook liberou recentemente uma entrevista com a Aki Glancy (EmpathP), vocalo-P americana conhecida por músicas como “Leaving Donna“, e também é a ilustradora da Vocaloid Avanna. Segue abaixo a tradução da íntegra:

empathp

“O MIKUBOOK entrevistou a Aki Glancy, também conhecida como EmpathP – que fez “Second Star“, uma música demo da HATSUNE MIKU V3 ENGLISH. Esperamos que goste!

M: Você pode nos dar uma breve introdução sobre você?
E: Meu nome é Aki Glancy, mas muitos dos meus fãs também me conhecem por EmpathP. Eu tenho 24 anos de idade e tive meu primeiro contato com Vocaloid no outono de 2008 enquanto estudava na faculdade. Eu sou uma fã de Vocaloid, UTAU e da Hatsune Miku desde aquele tempo. Além de fazer músicas originais com Vocaloid, eu também sou ilustradora e sou a artista da Vocaloid inglesa AVANNA.

M: De onde você tirou a ideia do seu nome, “Empath-P”?
E: O nome “Empath-P” foi na verdade dado pela minha amiga Myst, que é uma usuária de UTAU. Eu era muito nova criando música, e eu estava utilizando UTAU naquela época, porque eu não podia pagar pelo software Vocaloid. Depois que eu compus minha quinta canção original, Myst disse a todos que eles deveriam começar a me chamar de “EmpathP” porque minhas músicas geralmente têm emoções fortes atreladas à elas. O nome “EmpathP” é na verdade uma paródia com a palavra “Empatia”. Eu gostei muito do nome e eu tenho utilizado ele desde então.

M: Existe uma história por trás de sua música “Second star”?
E: “Second star” é uma música que compus para meu álbum “Fables of Farwell: EmpathP feat. Avanna x Miku Hatsune”. A música foi inspirada no livro “Peter Pan”. Eu queria criar uma música contada do ponto de vista de um jovem rapas que é separado de sua amada e está comparando ele mesmo e seus sentimentos com os personagens e eventos nesse livro. Assim como o personagem “Peter Pan”, o jovem rapaz deseja que ele pudesse ser inocente e jovem para sempre, e não ter problemas ou preocupações. Mas ele sabe que o mundo real não é um conto de fadas e precisa encarar a verdade se ele quiser uma vez mais estar com a garota que ele ama. Na música, eu trabalhei em muitas brincadeiras com palavras que davam dicas a certo eventos na história original, como “Kisses”, “Shadows” e “Pixie Dust”.

Clique no MORE para ler o restante da entrevista.

M: Que tipo de música você gosta? Que bandas ou cantores inspiram você?
E: Desde que me envolvi com Vocaloid, eu não ouço mais a muitas bandas americanas. Eu prefiro ouvir música japonesa, porque me ajuda a conseguir um melhor entendimento da língua japonesa. E também eu penso que há uma variedade muito maior em músicas de outros países. Geralmente eu ouço a músicas originais feitas por meus produtores favoritos de Vocaloid japoneses, coreanos, chineses e filipinos. Atualmente, meus produtores de música favoritos são Kowaremiku-P, FloatGarden, Luna Safari, e B-line. Quando eu comecei a escrever música meus ídolos eram Ryuryu (Binyu-P) e Fullkawa-P. Eu tendo a gostar mais de de baladas, músicas ambiente e rock.

M: Por que você escolheu a plataforma de Vocaloid para produzir sua música? Quando e como você descobriu sobre Vocaloid?
E: É um pouco difícil dizer exatamente porque eu escolho fazer música com Vocaloid no final. Eu acho que a melhor razão que eu posso dar é que, Vocaloid permite ao produtor musical fazer algo que é 100% dele. Quando um produtor trabalha com um vocalista humano, eles dão instruções para aquele cantor e dizem a eles como eles gostariam que ele cantasse. Mas, no final, o vocalista humano pode apenas cantar no melhor de suas habilidades. Com o Vocaloid, não há limite para que um produtor possa criar usando o programa. Hatsune Miku por exemplo pode cantar não apenas músicas pop bonitinhas, mas ela pode cantar também músicas intensas de heavy metal. E ela soa maravilhosamente bem em ambos os estilos. Eu acho que isso agrada a mim como música, e eu acho que é por isso que eu continuo a utilizar Vocaloid. É muito divertido ver o que eu sou capaz de criar quando o uso. E também minha própria voz não é nem um pouco forte se comparada a muitos Vocaloids, haha.

Eu descobri sobre Vocaloid no outono de 2008 durante meu segundo ano na faculdade. Naquela época, existia uma música popular na internet chamada “CarmellDansen”. Enquanto olhava os vídeos que as pessoas faziam para a música, eu encontrei um vídeo onde Nendoroids dos Vocaloids estavam dançando a música. Eu pensei que os personagens eram muito fofos, e eu imaginei que talvez eles fossem de um web comic ou de um videogame. Eu procurei por informações dos Vocaloids e descobri que os personagens eram na verdade mascotes para programas de computador que permitiam às pessoas criar vocais virtuais. Eu achei que aquilo era uma ideia muito legal, e eu quis ouvir como os Vocaloids soavam. O primeiro Vocaloid de que ouvi a voz foi da Hatsune Miku. Eu ouvi a música “Sing & Smile” do Re:NG e realmente gostei. Eu me tornei uma fã de Vocaloid desde então. Porém, só comecei a produzir música em 2010.

M: O que você pensa sobre a cultura Vocaloid fora do Japão?
E: A cultura de Vocaloid fora do Japão está realmente começando a crescer. Tem havido um aumento constante de Vocaloids ingleses, e isso tem ajudado com a expansão do Vocaloid. Porém, eu acho que há muito espaço para crescer. No Japão, a cultura se expandiu para se encaixar não apenas nos diferentes tipos de meios musicais, mas também há um montante incrível de eventos com Vocaloid e merchandising disponível para fãs e produtores. Infelizmente, nos Estados Unidos, nós não temos esses tipos de coisas culturais. Só houveram alguns poucos shows com Vocaloid nos EUA, e é quase impossível para um produtor como eu viver fazendo músicas com Vocaloid. Muito da cultura de Vocaloid nos Estados Unidos é visto apenas em convenções de anime ou online. Porém, eu espero que isso mude no futuro, então mais pessoas nos EUA ficarão interessadas em Vocaloid e na música Vocaloid.

M: Eu sei que você tem colaborado com muitos criadores. Você pode nos dizer como colabora com eles? E você colabora com criadores japoneses também?
E: Existem muitos produtores além-mar com os quais colaboro regularmente. Três deles em particular são Apol, Kenji-B e Circus-P. Na realidade Apol e eu temos uma pequena banda de duas pessoas chamada “Apakilypse”. Luna Safari, que é uma produtora da China, também colaborou comigo recentemente em uma nova música com Vocaloid, mas nós ainda não lançamos publicamente. Normalmente quando eu colaboro com outros produtores, meu trabalho é criar melodias para canto e letras. Uma vez que eu os crio, eu vou também tunar a voz do Vocaloid. Os produtores com que eu normalmente colaboro gostam que eu escreva as letras, porque isso dá uma chance para que eu pratique meu japonês. E com produtores japoneses, eu tenho colaborado com meu amigo e ídolo Kowaremiku-P. Kowaremiku-P frequentemente me deixa fazer traduções para o inglês de suas músicas e cantá-las por mim mesma. É difícil algumas vezes se tornar amigo de produtores japoneses, porque nem todos eles sabem inglês. Eu espero que em tempo isso mude, e meu japonês falado melhore de maneira que eu possa fazer mais amigos entre os produtores japoneses.

Eu também faço parte de duas colaborações especiais nos EUA. Há dois grupos de shows de Vocaloid fanmades sem fins comerciais de que faço parte. Eles são o “Synthesized Reality Productions” e o “AniMiku”. Em ambos os grupos a meta é compartilhar o amor por Vocaloid pelo mundo. Nós obtemos licenças das companhias produtoras dos Vocaloids e de produtores individuais e colocamos shows ao vivo com hologramas em convenções. É muito divertido, e nós somos capazes de fazer muito para ensinar as pessoas nos EUA sobre Vocaloid.

M: Quais são suas expectativas para criar música no futuro?
E: Minha maior expectativa para a minha música no futuro é que ela possa ser popular o suficiente para que eu consiga começar a compor como um trabalho full-time. No momento, eu tenho um trabalho que não paga bem e é muito difícil sustentar a mim mesma. E também o trabalho toma o tempo que eu poderia estar utilizando para criar novas músicas. Eu espero que isso mude e eu possa finalmente ser capaz de ter um trabalho criando música e escrevendo as letras que eu sonhar. Também quero continuar a ajudar Vocaloid a crescer como meio musical nos EUA. Vocaloid tem se dado tão bem no Japão e eu sei que poderia se dar bem também na America se for dada a chance. Eu quero fazer tudo que eu posso para ter certeza que Vocaloid se torne popular nos EUA.

Eu tenho um sonho particular que envolve minha música. O sonho é que minha música com Vocaloid possa se tornar tão popular que eu possa ser convidada para ir ao Japão falar aos fãs sobre o que é ser um produtor de Vocaloid da América. Eu também desejo encontrar os produtores de Vocaloid japoneses que se tornaram meus amigos e que me inspiraram tanto. Eu quero ser capaz de mostrar a meus amigos e minha família que eu criei algo especial que tocou o coração das outras pessoas.

M: Por favor, mande uma mensagem para os fãs!
E: Eu quero agradecer a todos que têm me apoiado desde que comecei a criar música original com Vocaloid. Eu não posso começar a dizer o que significa para mim saber que eu tenho tantas pessoas torcendo por mim. Eu espero que com seu apoio contínuo eu possa me tornar uma música ainda melhor e continuar a compartilhar minhas criações com o mundo.

Leiam também a entrevista anterior que a VocaloidBrasil fez com a empathP aqui.

About ---

Veja também

hiroyuki-itoh

Entrevista com Hiroyuki Itoh pela MTV81

A MTV 81 publicou no último dia 30/08 uma entrevista com Hiroyuki Itoh, CEO da ...

  • Aline

    hey, olha que falta de respeito queridos amigos, eles se acham criticos de que?

  • milenart

    Gosto mt da EmphatyP, volta e meia choro escutando Leaving Donna aki ;_; e ela é uma simpatia só *-*

  • Pingback: Three Hearts | VocaloidBrasil()